As propostas de preços não podem fugir da realidade mercadológica, ainda que compatíveis com o orçam

Ao pretender comprar bens ou serviços, a administração pública faz uma pesquisa de preços e/ou elabora um orçamento estimativo dos custos dos serviços/produtos. No entanto, isto não significa dizer que os preços ofertados pelos licitantes podem estar fora da realidade mercadológica, ainda que a proposta esteja dentro do valor do orçamento base.


Esse é o entendimento do Tribunal de Contas da União, o qual afirmou que ainda que os preços praticados estejam em harmonia com os limites fixados no orçamento-base da licitação, é necessário que os preços ofertados no certame também reflitam a realidade mercadológica. Caso contrário, caberá a responsabilização solidária da empresa contratada – beneficiária dos valores superestimados – com os agentes públicos e privados que tenham praticado atos irregulares.


Como vemos, se o orçamento base contém vícios os licitantes não poderão se aproveitar desse vício/erro e ofertar preços acima dos praticados pelo mercado, sob pena de responsabilização solidária. Ressalte-se, entretanto, que deve restar comprovada a má-fé ou o dolo da empresa que ofereceu a proposta.


Este artigo foi baseado na jurisprudência da época de sua publicação.

Tags:

capa revista.PNG

Revista Gestão Pública Municipal

Receba todo mês em seu e-mail a Revista Gestão Pública Municipal. Conheça a visão do Poder Judiciário e Tribunais de Contas sobre os principais temas da gestão municipal.