Câmara pode complementar o auxílio-doença dos vereadores até o valor do subsídio.

Este artigo foi embasado em 4 (quatro) decisões de Tribunais de Contas.


O auxílio-doença é devido ao segurado do regime geral previdenciário a partir do décimo sexto dia do afastamento da atividade. Durante os primeiros quinze dias do afastamento por motivo de doença, o beneficiário do regime previdenciário receberá normalmente o seu salário pela empresa (Lei nº 8.213/91, art. 60). Isto significa que se o vereador for segurado do regime geral receberá seus subsídios normalmente pela Câmara Municipal nos primeiros quinze dias. Após esse período, quem assumirá a responsabilidade pelos salários dos vereadores é o regime geral.


Porém, o regime geral previdenciário prevê que o valor mensal a ser pago aos seus segurados corresponderá à 91% (noventa e um por cento) do salário-benefício, tendo como teto o limite máximo do salário de contribuição e como piso o salário-mínimo (Lei nº 8.213/91, art. 61 c/c art. 33). Isto é, o vereador poderá não receber o subsídio no valor integral.


Diante desse cenário, alguns Câmaras Municipais questionam se é possível haver uma complementação do salário-benefício do vereador afastado a fim de garantir-lhe a integralidade do subsídio.


O Tribunal de Contas do Tocantins afirma ser possível haver a complementação do auxílio-doença até a importância correspondente ao subsídio, desde que exista previsão na Lei Orgânica Municipal e que haja indicação da fonte de custeio.


No mesmo sentido, o Tribunal de Contas do Mato Grosso também entende que a Câmara poderá complementar a diferença entre o auxílio-doença e o subsídio do edil, uma vez que a Câmara está equiparada a empresa privada para fins da legislação previdenciária.


Por fim, o TCE-PE e o TCE-SC também aprovam a complementação do auxílio-doença até o valor do subsídio, desde que haja previsão legal.

Portanto, a partir do décimo sexto dia de afastamento do vereador, a Câmara poderá complementar o salário-benefício do edil até o montante do subsídio mensal que ele recebia quando em atividade, desde que exista previsão na Lei Orgânica Municipal.

Este artigo foi baseado na jurisprudência da época de sua publicação.

Aulas Gratuitas
Leia também: