top of page

Servidor aposentado por invalidez pode acumular cargo público?


Apesar de a Constituição Federal elencar algumas hipóteses de acumulação de cargos do servidor aposentado (art. 37, § 10), será que esta regra se aplica ao caso da aposentadoria ter sido causada por invalidez permanente?


Caso se entenda que a aposentadoria por invalidez é um benefício devido ao trabalhador permanentemente incapaz de exercer qualquer atividade laborativa e que também não possa ser reabilitado em outra profissão, infere-se que não há possibilidade de acumulação do referido benefício com outro cargo. Pois, nesta situação o próprio benefício só é concedido quando o servidor não pode acumular qualquer outra atividade.


Contudo, se considerarmos que a aposentadoria por invalidez é um benefício concedido ao trabalhador que não possua mais capacidade de exercer a função do cargo que ocupa, em tese, poderá ocorrer à acumulação do benefício. Nesta hipótese, a incapacidade para laborar em uma função não significa, necessariamente, a total incapacidade do trabalhador para toda e qualquer atividade.


Seguindo esta segunda linha de raciocínio, o Tribunal de Contas do Distrito Federal entendeu que é possível “o exercício do cargo de professor mesmo após a aposentadoria do servidor por invalidez pelo Regime Geral de Previdência Privada, uma vez que a declaração de invalidez para o exercício de uma determinada função não significa, necessariamente, a total incapacidade do seu ocupante para toda e qualquer atividade”.


Entendemos ser este entendimento mais coerente com o ordenamento jurídico, pois a incapacidade para o exercício de determinada função não constitui, inevitavelmente, a impossibilidade de se exercer outro mister compatível com a deficiência do trabalhador. Por exemplo, um vigilante pode ser declarado incapaz para o exercício do cargo em razão de perda da visão, porém isto não o impede de atuar em outras atividades. Não se pode partir do pressuposto de que o servidor aposentado por invalidez possa reassumir seu cargo pelo simples fato de está exercendo outras atribuições em cargo diverso.


O Tribunal de Contas da União se posicionou de forma semelhante ao afirmar “que a pessoa considerada inválida para uma atividade pode desenvolver outras, se as novas condições de trabalho não forem incompatíveis com sua incapacidade”.


Por fim, é importante registrar que especificamente para o caso do mandato eletivo, o Superior Tribunal de Justiça posicionou-se, expressamente, no sentido de que ‘‘é possível a percepção conjunta do subsídio decorrente do exercício de mandato eletivo (vereador), por tempo determinado, com o provento de aposentadoria por invalidez, por se tratarem de vínculos de natureza diversa, uma vez que a incapacidade para o trabalho não significa, necessariamente, invalidez para os atos da vida política’’.


Do exposto, podemos concluir que a aposentadoria por invalidez não impede, infalivelmente, que o servidor exerça outras funções compatíveis com a sua nova realidade física, desde que a nova função pública seja acumulável nos termos da Constituição Federal.


Assista uma aula gratuita sobre acumulação de cargos públicos. Clique aqui.

capa revista.PNG

Revista Gestão Pública Municipal

Receba todo mês em seu e-mail a Revista Gestão Pública Municipal. Conheça a visão do Poder Judiciário e Tribunais de Contas sobre os principais temas da gestão municipal.

bottom of page