top of page

Redução de 20% dos cargos em comissão não impede a substituição de servidores.


Uma das medidas bastante adotadas pelos gestores públicos a fim de reduzir as despesas com pessoal é a exoneração de servidores ocupantes de cargos em comissão e funções de confiança.


A possibilidade de redução de pelo menos vinte por cento das despesas com cargos em comissão e funções de confiança é uma medida prevista na Constituição Federal (art. 169, § 3º , I) e que deve ser adotada antes da exoneração dos servidores não estáveis.


Importante salientar que o texto constitucional afirma que deve-se reduzir ao menos vinte por cento das “despesas” com os referidos cargos. Porém, isto não significa que o gestor deverá exonerar 20% dos servidores comissionados ou das funções de confiança, pois pode acontecer da exoneração de 10% dos cargos já resultar na redução de 20% das despesas.


Outro fator que se deve ponderar é que o percentual estipulado na Constituição da República não é um limite máximo, mas mínimo. Isto é, nada impede do gestor reduzir mais de vinte por cento das despesas com os referidos cargos/funções.


Por fim, devemos ressaltar que a redução de ao menos vinte por cento destas despesas não deve impedir o gestor de proceder as substituições dos cargos/funções, desde que globalmente ocorra a redução do percentual das despesas. Esse entendimento é corroborado pelo Tribunal de Contas do Espírito Santo quando afirma que a intenção do gestor reduzir vinte por cento das despesas com cargos em comissão não o engessa a ponto de inviabilizar as substituições das funções de confiança dentro de um juízo de conveniência e oportunidade, desde que preservada a meta global de redução dos gastos.


Artigo fundamentado em jurisprudência vigente na data de sua publicação.

capa revista.PNG

Revista Gestão Pública Municipal

Receba todo mês em seu e-mail a Revista Gestão Pública Municipal. Conheça a visão do Poder Judiciário e Tribunais de Contas sobre os principais temas da gestão municipal.

bottom of page