Cadastro restritivo de município provocado pela gestão anterior

Assine GRÁTIS a Revista de Gestão Pública Municipal e leia este e outros artigos exclusivos


Os cadastros restritivos foram desenvolvidos para incluir os entes públicos (municípios) em débito ou com outras pendências perante outro ente da federação, geralmente o Governo Federal. Por exemplo, o atraso do município na prestação de contas de um convênio celebrado com a União gera a inclusão daquele no cadastro restritivo.


A inclusão do município no cadastro restritivo ou de inadimplentes gera conseqüências como a recusa em celebrar novos convênios ou a impossibilidade de oferecimento de garantias em operações de crédito. Essas penalidades, via de regra, não podem superar a dimensão estritamente pessoal do infrator, em razão do princípio da intranscendência subjetiva das sanções.


Em função deste princípio, em regra, as irregularidades cometidas por ex-prefeito não podem ser transplantadas para a atual gestão. Contudo, é imprescindível que o gestor sucessor adote medidas para superação das irregularidades de seu antecessor. Este é o entendimento sumulado do Superior Tribunal de Justiça onde afirma que “não pode ocorrer ou permanecer a inscrição do município em cadastros restritivos fundada em irregularidades na gestão anterior quando, na gestão sucessora, são tomadas as providências cabíveis à reparação dos danos eventualmente cometidos”.


Portanto, apesar de não constituir ilegalidade a inclusão de município em cadastros restritivos, a comprovação de adoção de medidas com fins de superação do impedimento não justificam a permanência do ente no cadastro de inadimplentes.

Artigo fundamentado em jurisprudência vigente na data de sua publicação.

Tags:

capa revista.PNG

Revista Gestão Pública Municipal

Receba todo mês em seu e-mail a Revista Gestão Pública Municipal. Conheça a visão do Poder Judiciário e Tribunais de Contas sobre os principais temas da gestão municipal.