top of page

Quais as penalidades da acumulação ilegal de cargos públicos?


O estatuto dos servidores públicos federais (Lei nº 8.112/90) determina que a acumulação ilegal de cargos, empregos e funções públicas implicará na pena de demissão (art. 132, XII). Este tipo de punição também pode estar prevista no estatuto dos servidores públicos municipais, assim como a sanção de suspensão ou advertência.


Nos termos da norma federal, se o servidor optar por um dos cargos até o final do prazo de sua defesa, a penalidade de demissão poderá ser substituída pela exoneração do cargo (§ 5º do art. 133). Porém, se restar comprovada a má-fé do servidor, deverá ser aplicada as penas de demissão, destituição de cargo comissionado (art. 135) ou cassação de aposentadoria ou disponibilidade (§ 6º do art. 133).


Estas são apenas as sanções iniciais aplicáveis aos casos de acumulação indevida de cargos públicos, uma vez que caracterizada a improbidade administrativa, o agente público também sofrerá as penalidades da Lei nº 8.429/92, quais sejam: perda dos bens ou valores acrescidos ilicitamente ao patrimônio, ressarcimento integral do dano ao erário, perda da função pública, suspensão dos direitos políticos, pagamento de multa, proibição de contratar com o poder público e de receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios (art. 12).


Por fim, cumpre ressaltar que estas penalidades são apenas as do âmbito administrativo. Isto significa que, dependendo das circunstâncias do caso concreto, outras sanções de natureza civil ou penal também poderão ser aplicadas ao agente público que acumular cargos irregularmente.


capa revista.PNG

Revista Gestão Pública Municipal

Receba todo mês em seu e-mail a Revista Gestão Pública Municipal. Conheça a visão do Poder Judiciário e Tribunais de Contas sobre os principais temas da gestão municipal.

bottom of page