A capacitação do fiscal de contrato administrativo.

Assine GRÁTIS a Revista Gestão Pública Municipal e leia este e outros artigos exclusivos.


A designação de um servidor para ser fiscal de contrato deve considerar, dentre outros aspectos, a sua competência técnica para o exercício da função. Por se tratar de uma atribuição diversa da que desempenha no cargo de origem, o servidor não tem, necessariamente, obrigação de possuir o conhecimento técnico exigido para fiscalizar o objeto contratual. De outro lado, ele não pode recusar a designação para a nova função.


Em razão destes aspectos, compete à administração pública ofertar o conhecimento necessário para o exercício da nova função, através de cursos, treinamentos e material de estudo. A capacitação deve ser oferecida tanto para o servidor inexperiente quanto para aquele que já exerceu a função de fiscal de contrato.


Conforme orientação do Tribunal de Contas da União, antes da designação, a autoridade competente deve certifica-se que o servidor possui as competências necessárias para o exercício da função, além de oferecer curso voltado para os fiscais de contratos. O TCU já determinou por diversas vezes aos órgãos da administração pública que promovessem o aperfeiçoamento do processo de capacitação dos servidores designados como fiscais de contratos, bem como a manutenção das habilidades e competências dos funcionários.


A ausência de oferecimento de capacitação específica para o servidor designado para fiscalização de contratos pode mitigar ou dirimir a sua responsabilidade, transportando-a para a autoridade nomeante, em função da culpa in eligendo.


A capacitação do servidor visa preservar o princípio da eficiência e garantir que os serviços serão prestados consoante as regras estabelecidas no instrumento contratual. Por isso, é importante que os fiscais de contrato possuam as seguintes competências/conhecimentos:


  • Ter noções sobre licitações e contratos;

  • Saber quais são suas funções, atribuições e responsabilidades;

  • Preferencialmente, possuir conhecimento técnico do objeto contratual;

  • Conhecer o regulamento local sobre gestão e fiscalização de contratos administrativos;

  • Conhecer os casos em que está impedido de fiscalizar os contratos;

  • Aprender as principais jurisprudências dos órgãos de controle sobre a fiscalização dos contratos administrativos;

  • Inteirar-se dos procedimentos que precisa adotar nos casos de descumprimento contratual;

  • Ter conhecimentos sobre a liquidação da despesa pública;

  • Saber quais documentos a contratada deve apresentar para manter a regularidade fiscal, trabalhista, previdenciária e jurídica.


Do exposto, percebe-se a importância da função do fiscal de contratos, o nível de conhecimento exigido e a responsabilidade que lhe é atribuída. Em virtude disto, é primordial que a administração pública promova a capacitação dos servidores designados para fiscalizar os contratos administrativos, ainda que estes já tenham exercido a referida função.


A fundamentação deste artigo está na Revista Gestão Pública Municipal. Assine GRÁTIS.

Tags:

capa revista.PNG

Revista Gestão Pública Municipal

Receba todo mês em seu e-mail a Revista Gestão Pública Municipal. Conheça a visão do Poder Judiciário e Tribunais de Contas sobre os principais temas da gestão municipal.