Registro contábil da restituição de desconto indevido no salário do servidor.

Leia este e outros artigos exclusivos na Revista Gestão Pública Municipal.


Como regra, as restituições de valores descontados indevidamente nos salários dos servidores públicos devem ser escrituradas no elemento de despesa nº 94 (indenizações e restituições trabalhistas). Como se refere a uma restituição de natureza trabalhista, não classificamos a despesa no elemento nº 93 (indenizações e restituições), pois este elemento somente é utilizado quando não há classificação específica.


Apesar da regra supramencionada, caso a despesa com restituição tenha sido empenhada e não paga no exercício, o registro contábil no momento do pagamento deverá ocorrer mediante restos a pagar. Segundo o Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público (MCASP), o pagamento de restos a pagar correspondem a “saídas para pagamentos de despesas empenhadas em exercícios anteriores. Ou seja, pertencem a exercícios anteriores, de acordo com seu respectivo empenho, de forma que nos seguintes serão consideradas extraorçamentárias”. Noutros termos, no momento do empenho registra-se a restituição trabalhista no elemento nº 94. Se ao final do exercício não ocorrer o pagamento, inscreve-se em restos a pagar e no instante do desembolso financeiro ocorrerá a despesa extraorçamentária.


Por fim, se o reconhecimento do direito do servidor ocorrer em exercício diverso da ocorrência do fato gerador (desconto indevido no salário), o registro contábil da restituição do desconto indevido deverá ocorrer a conta de despesas de exercícios anteriores. O MCASP afirma que “sempre que o empenho se tratar de despesas cujo fato gerador ocorreu em exercícios anteriores, deve-se utilizar o elemento 92, sem exceções, não eximindo a apuração de responsabilidade pelo gestor, se for o caso”.


Portanto, podemos concluir que o registro contábil da restituição decorrente de descontos indevidos nos salários dos servidores públicos poderá ocorrer a conta de “indenizações e restituições trabalhistas” (elemento nº 94), restos a pagar ou despesas de exercícios anteriores (elemento nº 92), dependendo das peculiaridades do caso concreto.


A fundamentação deste artigo está na Revista Gestão Pública Municipal. Assine GRÁTIS.

Tags:

capa revista.PNG

Revista Gestão Pública Municipal

Receba todo mês em seu e-mail a Revista Gestão Pública Municipal. Conheça a visão do Poder Judiciário e Tribunais de Contas sobre os principais temas da gestão municipal.