Salário-família e auxílio-reclusão entram no limite de despesa com pessoal?

Com a publicação da Emenda Constitucional nº 103/2019, os únicos benefícios previdenciários que o município (RPPS) pode conceder são a aposentadoria e pensão por morte (art. 9º §2º da EC/2013/2019). Todos os outros benefícios devem ser custeados com recursos do orçamento do ente da federação (prefeitura) e não mais pelo Regime Próprio de Previdência dos Servidores.


Com isto, alguns gestores e alunos passaram a questionar-me se as despesas da prefeitura com os benefícios anteriormente pagos pelo RPPS deveriam ser computadas no limite legal de despesa com pessoal previsto na Lei de Responsabilidade Fiscal.


Especificamente quanto ao salário-família e auxílio-reclusão, cumpre-nos ressaltar que a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho considerou que os referidos benefícios possuem natureza assistencial. Em função disto, a Secretaria do Tesouro Nacional entendeu que o salário-família e auxílio-reclusão não devem ser computados no limite de despesas com pessoal do município.


Estas despesas devem ser contabilizadas no elemento nº 08 (outros benefícios assistenciais), não fazendo parte dos elementos e subelementos que compõem as despesas de pessoal para fins do limite previsto na Lei de Responsabilidade Fiscal (Lei Complementar nº 101/00).


A fundamentação deste artigo está na Revista Gestão Pública Municipal. Assine GRÁTIS.

Tags:

capa revista.PNG

Revista Gestão Pública Municipal

Receba todo mês em seu e-mail a Revista Gestão Pública Municipal. Conheça a visão do Poder Judiciário e Tribunais de Contas sobre os principais temas da gestão municipal.