top of page

Município pode dar aumento de salário ao servidor na pandemia?

Na edição nº 33 (agosto de 2020) da Revista Gestão Pública Municipal (Assinatura gratuita) publicamos um artigo sob o título: “Servidor público pode ter aumento de salário durante a pandemia COVID-19?”. Ao final do artigo concluímos que: Ressalte-se que o município que não aderir ao programa de que trata a Lei Complementar nº 173/2020 e tampouco decrete situação de calamidade pública, poderá conceder reajuste salarial aos servidores públicos.


Diante desta nossa conclusão, recebemos um e-mail de uma leitora da Revista afirmando (questionando) que a situação de calamidade pública expressa na Lei Complementar nº 173/2020 vale para todos os municípios.


Diante desta indagação, resolvi expor melhor minha posição de que o município pode, dependendo de algumas condições, conceder aumento salarial a seus servidores1 no decorrer da pandemia.


Inicialmente, devemos frisar que o Supremo Tribunal Federal decidiu que o artigo 3º da Lei 13.979/2020 deve ser interpretado de acordo com a Constituição, a fim de deixar claro que a União pode legislar sobre medidas de enfrentamento da pandemia, mas que o exercício desta competência deve sempre resguardar a autonomia dos demais entes. Infere-se da referida decisão que o município tem autonomia para adotar medidas de enfrentamento ao covid-19, bem como gerenciar os recursos públicos da forma que melhor lhe aprouver.


Embora a situação de calamidade decretada pela Lei Complementar nº 173/2020 abranja todos os municípios, não me surpreenderia que em razão da dimensão territorial do país um ou outro município passasse imune a pandemia (especialmente cidades de pequeno porte com boa divisão proporcional entre a população rural e urbana).


Ademais, passados mais de 5 (cinco) meses da pandemia, o Brasil ainda registra 64 (sessenta e quatro) cidades sem casos de covid-19. Logo, nestes municípios a situação de calamidade parece ser mais “formal” do que de ordem prática.


Outrossim, o caput do art. 8º da Lei Complementar nº 173/2020 cita que as vedações nele previstas (proibição de aumento salarial) se aplicam na hipótese de que trata o art. 65 da Lei de Responsabilidade Fiscal (Lei Complementar nº 101/00). Por sua vez, este dispositivo assevera que suas disposições aplicam-se exclusivamente às unidades federativas atingidas pela calamidade pública (art. 65, § 2, I, “a”).


Porém, não é o fator “calamidade pública” a principal razão para o impedimento do aumento dos salários dos servidores, mas a utilização dos “benefícios fiscais” previstos na Lei Complementar nº 173/2020. Como é sabido, uma das contrapartidas impostas pelo Governo Federal para o repasse do auxílio emergencial aos municípios foi a impossibilidade de aumentar a remuneração do funcionalismo até dezembro de 2021. Assim, entende-se que, se o município “dispensar” (não precisar) o auxílio, ele não estará obrigado a adotar as medidas fiscais restritivas impostas pela referida norma, em homenagem a autonomia dos entes federativos citada na decisão da Suprema Corte acima referenciada.


Portanto, entendemos que se o município não utilizou os benefícios fiscais previstos na Lei Complementar nº 173/2020 (suspensão do pagamento da dívida, recebimento de auxílio financeiro ou reestruturação de operações de crédito), não há óbice para a concessão de aumento da remuneração dos servidores públicos, ainda que a decretação de calamidade prevista na Lei nº 173/2020 valha para todas as cidades. Ressalte-se que todas as outras medidas fiscais de aumento salarial devem ser cumpridas.


1. Ressaltamos que este artigo não é uma recomendação, devendo cada município averiguar sua situação e consultar a respectiva assessoria jurídica.

capa revista.PNG

Revista Gestão Pública Municipal

Receba todo mês em seu e-mail a Revista Gestão Pública Municipal. Conheça a visão do Poder Judiciário e Tribunais de Contas sobre os principais temas da gestão municipal.

bottom of page