top of page

A empresa precisa comprovar a execução do convênio através de fotos e vídeos?

A comprovação da despesa é um assunto de grande relevância para o gestor que administra, guarda, arrecada ou mantém sob sua responsabilidade recursos ou bens públicos. Dessa forma, saber quais são os documentos necessários e hábeis para que a despesa reste aprovada é essencial. De modo geral, o gasto público é legitimado quando acompanhado de documentos capazes de evidenciar o nexo causal entre a saída de recursos, a entrega dos bens/serviços em consonância com as especificações estabelecidas e os respectivos documentos formais.


Com relação ao desembolso de recursos públicos e aos documentos formais, não há grandes problemas em comprovar os dispêndios, pois existem diversos instrumentos capazes de fazê-lo, tais como extratos bancários, comprovante de transferências, notas fiscais, recibos e atestos. Porém, no que tange à comprovação da entrega dos bens e serviços, a demonstração da correta aplicação dos recursos é mais complexa, demandando a confecção de outros meios de prova, notadamente o registro fotográfico, vídeos, matérias de jornais e revistas, etc.


Especificamente nos casos dos convênios, malgrado o encargo pela prestação de contas seja do Município, é de bom grado que a firma contratada para executar o acordo também guarde meios de prova capazes de demonstrar o cumprimento de suas obrigações, especialmente para evitar responsabilização.


Todavia, na hipótese de carência da comprovação da normalidade da aplicação dos recursos públicos, devido à ausência de demonstração da materialidade do gasto, a sociedade particular não poderá ser responsabilizada solidariamente. Esse é o entendimento do Tribunal de Contas da União – TCU[1], in verbis: “no caso de débito decorrente da não apresentação pelo gestor convenente de documentos que comprovem a realização de evento artístico (fotografia, filmagem, publicação em jornais, revistas ou reportagens televisivas), não cabe a responsabilização solidária da empresa contratada”.


Destarte, “em situações em que reste demonstrada a não execução física do objeto, o terceiro que eventualmente foi remunerado pela realização do objeto não executado deve integrar a relação processual e responder solidariamente com o agente público pelo dano apurado. Contudo, não se deve olvidar que a comprovação da efetiva execução física do convênio é ônus unicamente do agente público, que tem o dever constitucional de prestar contas, demonstrando a boa e regular aplicação dos recursos federais geridos. É dizer, a responsabilização do terceiro contratado não deve ter por corolário a não comprovação da execução do objeto, porquanto não é seu o dever de prestar contas dos recursos federais, mas, sim, do agente público”.


Assim, “para haver a condenação da empresa, a sua responsabilização deve estar calcada na confirmação de que contribuiu para a consecução do dano, e não simplesmente no dano ficto, presumido, ou seja, aquele decorrente da ausência de comprovação da execução física do convênio, imputável somente ao agente público”.


Saiba mais sobre convênios nos Municípios acompanhando a Revista Gestão Pública Municipal. Assine GRÁTIS.


[1] TCU – Acórdão n.º 6079/2022 – Segunda Câmara.

Comentários


capa revista.PNG

Revista Gestão Pública Municipal

Receba todo mês em seu e-mail a Revista Gestão Pública Municipal. Conheça a visão do Poder Judiciário e Tribunais de Contas sobre os principais temas da gestão municipal.

bottom of page