Como fazer pesquisa de preços para licitação com vários itens?

Como é sabido, a pesquisa de preços que servirá para fundamentar as aquisições públicas nos procedimentos licitatórios é um procedimento indispensável, contudo, não deixa de ser algo trabalhoso, especialmente quando a compra envolve 100, 200, 500 ou até mesmo 1.000 itens (o caso dos medicamentos, por exemplo). Nestas hipóteses, como fazer um procedimento menos custoso e com tempo hábil para realização da licitação?

De fato, sondar o mercado, consultar os contratos anteriores, bancos de preços oficiais, dentre outras fontes para saber o valor de mercado de 500 itens não é uma tarefa fácil, contudo, existe uma metodologia que é aceita pelo Tribunal de Contas da União, trata-se da Curva ABC.

A Curva ABC ou Curva de Pareto propõe que 80% da importância de uma compra está concentrada em apenas 20% dos itens. Ou seja, em geral, 20% dos produtos representam 80% do valor da aquisição, enquanto 80% dos demais itens possuem média ou baixíssima relevância.

Aplicando-se essa metodologia na pesquisa de preços da licitação para formação do orçamento da administração, o gestor poderá identificar quais são os itens com valores mais significativos e fazer uma sondagem mais elaborada com consulta a diversas fontes. Nos demais itens, faz-se uma pesquisa mais simplificada. Outrossim, também é possível optar por licitar os produtos mais relevantes por itens, agrupando-se os demais em lotes.

De todo modo, a utilização da Curva ABC ou de outra metodologia deve ser devidamente justificada pelo administrador público, mostrando a inviabilidade ou ineficiência de fazer uma pesquisa mercadológica para todos os itens que se pretende adquirir.


A elaboração de uma pesquisa de preços correta é imprescindível para verificar a compatibilidade dos preços com o mercado e para evitar imputações de débito ao gestor decorrente de sobrepreço. Assista uma aula gratuita sobre o tema.

Aulas Gratuitas
Leia também: