top of page

Notificação por edital no processo administrativo municipal

Os municípios possuem autonomia para elaborar norma local regulamentando os seus processos administrativos, embora, especialmente naquelas Urbes de pequeno porte, seja comum a omissão legislativa desta matéria. Sem embargo, existem alguns princípios que permeiam os processos administrativos, a exemplo do contraditório e da ampla defesa, os quais possuem previsão constitucional e devem ser seguidos por todos os entes federativos.


No âmbito federal, a Lei n.º 9.784/1999, além de prever expressamente os mencionados princípios, estabelece que a intimação do interessado pode ser efetuada por ciência no processo, por via postal com aviso de recebimento, por telegrama ou outro meio que assegure a certeza da ciência (art. 26, § 3). Todavia, “no caso de interessados indeterminados, desconhecidos ou com domicílio indefinido, a intimação deve ser efetuada por meio de publicação oficial” (art. 26, § 4).


Observa-se que, independentemente da forma, o mais importante é que o interessado no processo administrativo tenha conhecimento do feito a fim de exercer plenamente o direito de defesa, notadamente quando o processo resultar em imposição de deveres, ônus, sanções ou restrição ao exercício de direitos e atividades.


Em virtude disto, as notificações por edital devem ser feitas em última alternativa e dentro das hipóteses estritamente legais.


Acerca desta temática, o Superior Tribunal de Justiça – STJ decidiu que “nas hipóteses em que a tentativa de entrega da notificação pelos Correios é frustrada, cabe à Administração buscar outro meio idôneo para provar, nos autos, "a certeza da ciência do interessado", reservando-se a publicação oficial, nos termos da lei, tão somente às hipóteses de: a) interessado indeterminado; b) interessado desconhecido; ou c) interessado com domicílio indefinido”.


A Corte Superior de Justiça ponderou que “a validade do processo administrativo é constitucionalmente vinculada à rigorosa observação do princípio da ampla defesa com os meios e recursos a ela inerentes. Ao disciplinar, no âmbito do processo administrativo, a incidência do princípio da ampla defesa e dos meios e recursos a ela inerentes, o legislador ordinário positivou parâmetros mais precisos, cuidadosamente descritos no art. 2º, parágrafo único, da Lei do Processo Administrativo Federal - LPA (Lei n. 9.784/1999), os quais não foram fixados para conveniência, ou comodidade, da Administração. Antes, privilegiaram a garantia dos direitos dos administrados, razão pela qual a notificação que não chega ao conhecimento do cidadão intimado não cumpre, em linha de princípio, a sua função constitucionalmente prevista. Assim, a intimação por via postal só pode ser tida como meio idôneo se alcançar o fim a que se destina: dar, ao interessado, inequívoca ciência da decisão ou da efetivação de diligências (Lei n. 9.784/199, art. 26)”.


Saiba mais sobre processo administrativo, inclusive o disciplinar, acompanhando a Revista Gestão Pública Municipal. Assine GRÁTIS.



Opmerkingen


capa revista.PNG

Revista Gestão Pública Municipal

Receba todo mês em seu e-mail a Revista Gestão Pública Municipal. Conheça a visão do Poder Judiciário e Tribunais de Contas sobre os principais temas da gestão municipal.

bottom of page