top of page

Piso salarial de Agente Comunitário de Saúde do Município é constitucional.

Em 14 de agosto de 2018 foi editada a Lei n.º 13.708, que estabeleceu, dentre outras questões, o piso salarial profissional nacional dos Agentes Comunitários de Saúde - ACS e dos Agentes de Combate às Endemias – ACE. A referida norma estipulou um escalonamento do piso nacional em parcelas que seriam implementadas em janeiro de 2019, 2020 e 2021.


Questionado se o piso salarial era também obrigatório para os Municípios, o Supremo Tribunal Federal – STF[1] entendeu que “é constitucional a possibilidade de implantação do piso nacional para agentes comunitários de saúde e de combate às endemias aos servidores dos estados, do Distrito Federal e dos municípios”.


In casu, o Município de Salvador/BA recorreu de decisão da 6ª Turma Recursal dos Juizados Especiais da Fazenda Pública do Estado da Bahia que determinou à administração municipal o pagamento do piso salarial da categoria.


Além de decidir pela constitucionalidade do piso, a Suprema Corte, apesar de postergar a tese sobre o resultado do julgamento (Tema 1132 da repercussão geral), considerou que o piso nacional dos servidores estatutários municipais deve abranger parcelas fixas, permanentes e em caráter geral para toda a categoria. Ou seja, o piso não é apenas no vencimento básico.


Saiba mais sobre benefícios e remuneração do servidor público acompanhando a Revista Gestão Pública Municipal. Assine GRÁTIS.

[1] STF – RE 1279765

コメント


capa revista.PNG

Revista Gestão Pública Municipal

Receba todo mês em seu e-mail a Revista Gestão Pública Municipal. Conheça a visão do Poder Judiciário e Tribunais de Contas sobre os principais temas da gestão municipal.

bottom of page